Blog

Povos Indígenas: história, cultura e lutas

Segundo o último Censo, realizado pelo IBGE em 2010, o Brasil é habitado por cerca de 818 mil indígenas, distribuídos por 827 municípios. Um número que se assemelha à população de grandes capitais ao redor do mundo. E, ainda assim, representando boa parcela dos cidadãos brasileiros, os povos indígenas enfrentam lutas antigas, que têm sua origem na colonização do país. 

Ao contrário do imaginário popular e do que os livros didáticos contavam, não houve uma descoberta do Brasil, por meio dos portugueses. Segundo dados da Funai (Fundação Nacional do Índio), antes da invasão dos europeus, o território Pindorama era morada de cerca de 3 milhões de habitantes nativos, posteriormente chamados de indígenas, em referência às Índias, local ao qual os portugueses acreditavam ter chegado. 

É muito comum que se resuma a história dos povos indígenas brasileiros a partir da colonização portuguesa. De fato, esse acontecimento é um marco na trajetória dos povos indígenas, pois a partir disso, inicia a luta pelas terras, por sobrevivência e por direitos básicos que perdura até os dias de hoje, somando 521 anos de resistência. 

No entanto, conhecer as origens dos povos indígenas é igualmente importante, para garantir o respeito, a defesa e o reconhecimento da cidadania de um povo que, sem prévio aviso, perdeu terras, alimentos, liberdade e vidas.
Nesse artigo, você poderá conhecer a história e cultura e as lutas dos povos indígenas. Acompanhe: 

História dos Povos Indígenas

Sobre a origem dos indígenas brasileiros, existem duas hipóteses aceitas pela, segundo o Instituto Socioambiental (ISA). A primeira é de que os indígenas descendem dos povos asiáticos que atravessaram o estreito de Bering há 62 mil anos.

A segunda, defende uma única grande onda migratória no começo, com a vinda posterior de grupos aparentados aos povos da Oceania. Os levantamentos estão na “Science” e na “Nature”, as duas maiores revistas científicas do mundo, e ambas têm participação de brasileiros.
Estudos arqueológicos recentes estabelecem a chegada dos primeiros habitantes do Brasil à Bahia e ao Piauí, entre 20 e 40 mil anos atrás. 

Estabelecidos nas terras que ofereciam fertilidade, os nativos passaram a viver em regime de comunidade, onde prevalecia a produção comunitária. Sendo que os trabalhos eram divididos de acordo com sexo e idade.
Eles eram produtores de milho, feijão, mandioca, cará, batata-doce, abóbora e tabaco. Além disso, parte da alimentação vinha da pesca. 

Entre os grupos indígenas havia muitas formas de conceber e construir as casas, pois cada grupo tinha um jeito diferente de pensar e de se relacionar com o ambiente onde viviam. Assim, os tipos de casas eram uma das principais características dos povos indígenas. 

Ainda segundo o Instituto Socioambiental (ISA), a maneira como a casa era utilizada, dividida e construída refletia o jeito que os moradores tinham de organizar e se enxergar no mundo. Além disso, as construções variavam de acordo com o modo de vida, o clima, o tipo de ambiente e os materiais de que os grupos dispunham para a construção.

As formas das casas poderiam ser circulares, retangulares, pentagonais, ovais. Feitas de matérias primas diferentes: madeira com teto de palha, inteiras em palha ou folhas. 

Todas essas práticas perduraram por anos, geração após geração, sem sofrer influências externas.

Os diferentes povos tinham liberdade de seguir seus próprios costumes, a começar pela língua. Existiam vários troncos linguísticos, como o Tupi ou Macro-Tupi, Macro-Jê e Aruak. 

Invasão portuguesa

Em 1500, os portugueses desembarcaram no “Novo Mundo”, a América, tomando posse das terras. Em seguida, tiveram os primeiros contatos com os nativos, designados pelos portugueses de “selvagens” e, posteriormente, indígenas. Havia cerca de 3 milhões de nativos, divididos em 1.000 povos diferentes.

Alguns historiadores chamaram o primeiro contato entre portugueses e os povos indígenas de “encontro de culturas”, como uma tentativa – equivocada – de amenizar as péssimas relações que foram mantidas, desde o começo. 

Na realidade, desde o início do processo de colonização portuguesa houve “desencontro de culturas”, que correspondeu a um processo de extermínio e submissão dos indígenas – tanto por meio dos conflitos com os portugueses quanto pelas doenças trazidas por estes, como a gripe, a tuberculose e a sífilis.

Desde então, a  história dos povos indígenas é marcada pela brutalidade, escravidão, violência, doenças e genocídio.

Extermínio dos povos indígenas

No primeiro século de contato, 90% dos indígenas foram exterminados, principalmente por meio de doenças trazidas pelos colonizadores, como a gripe, o sarampo e a varíola. Nos séculos seguintes, milhares de vítimas morreram ou foram escravizadas nas plantações de cana-de-açúcar e na extração de minérios e borracha.

Em cinco séculos, 700 das 1.200 nações indígenas foram exterminadas. Segundo pesquisas do antropólogo Darcy Ribeiro, 55 povos desapareceram somente na primeira metade do século 20.

Na década de 1950, a população tinha caído para um número tão baixo que foi previsto que nenhum indígena sobreviveria até o ano de 1980. Estima-se que, em média, um povo se tornou extinto a cada ano entre 1900 e 1957.

As lutas dos povos indígenas

 

Depois de tornarem-se escravos da colônia portuguesa, os povos indígenas passaram a enfrentar diversas lutas em torno da própria sobrevivência.

Com o extermínio de povos indígenas e a escravidão, milhares de famílias  e indivíduos afugentados se refugiaram em áreas remotas, evitando o contato com pessoas não indígenas.

Sendo assim, esses povos perderam acesso e direito às próprias terras, sem a possibilidade de cultivar alimentos ou ter acesso a rios para pescar, já que as grandes cidades iniciaram suas atividades em torno das águas.

Daí em diante, os enfrentamentos às invasões, às queimadas, aos grileiros, à fome e à discriminação, tornou-se uma árdua rotina dos povos indígenas. 

Crimes contra os povos indígenas 

Em 1967, Jader Figueiredo, um procurador federal, publicou um relatório de 7.000 páginas que catalogou milhares de atrocidades e crimes cometidos contra os povos indígenas, incluindo assassinatos, escravidão e roubos de terra. 

Em um caso notório conhecido como “o massacre do paralelo 11”, um barão da borracha ordenou que seus homens arremessassem dinamite em uma aldeia indígena do povo Cinta Larga. Aqueles que sobreviveram ao ataque foram assassinados por seringueiros que os atacaram com facões.

O relatório estampou manchetes internacionais e levou à dissolução do Serviço de Proteção ao Índio (SPI). O SPI foi então substituído pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI), órgão que continua a ser o departamento de assuntos indígenas do governo.

Entre 1970 e 1980, uma nova onda de construção de hidrelétricas e estradas e o desenvolvimento de atividades de pecuária e mineração causou a morte de milhares de indígenas, além de deixar sem terra outros tantos. Dezenas de povos indígenas foram aniquilados neste período.

Com a nova constituição redigida em 1988, os indígenas e seus apoiadores fizeram pressão por mais direitos. Desde então, eles têm conseguido muitos avanços, ainda que não tenham acesso aos direitos territoriais que têm garantidos na Constituição e na lei internacional.

Cenário atual dos povos indígenas

Muito ainda precisa ser feito para amenizar as lutas dos povos indígenas no Brasil. Os direitos dos povos indígenas ainda são desrespeitados e ignorados pelas forças do Estado. O que abre margem para grandes indústrias hidrelétricas, de mineração e do agronegócio explorarem terras que não as pertencem, reduzindo ainda mais as possibilidades de moradia e alimentação de milhares de indígenas. 

Para além dos desafios territoriais, os povos indígenas enfrentam, ainda nos dias de hoje, problemas com racismo, preconceito, violação aos direitos das mulheres indígenas, falta de acesso à saúde e serviços públicos, além da alimentação escassa e pobre em nutrientes. 

Desafios que se agravaram durante a pandemia do coronavírus. O que tirou a vida de milhares de indígenas e colocou em risco tantas outros que, em lugares remotos e sem acesso à saúde, se viram sem apoio do Estado, o qual vem tomando medidas ineficazes nos combate à proliferação do vírus nos territórios indígenas.
 

Os próprios indígenas se mobilizam nas esferas políticas e sociais, em busca de amenizar um sofrimento que se estende por meio milênio, somado ao novo desafio: o coronavírus. O Fundo Brasil apoia projetos liderados pelos próprios povos indígenas em busca de seus direitos garantidos na Constituição. 

Você pode apoiar essa causa junto com a gente!

Conheça os projetos que lutam pelos direitos dos povos indígenas!

 

 

Ajude a transformar o país!
Apoie o nosso trabalho!

DOE AGORA